19.5 C
Brasília
- PUBLICIDADE -
InícioSem categoriaTrabalhadores de frigoríficos do RS comemoram aumento salarial acima da inflação

Trabalhadores de frigoríficos do RS comemoram aumento salarial acima da inflação

Publicado em

Trabalhadores de frigoríficos do RS comemoram aumento salarial acima da inflação

 
Cerca de 3 mil funcionários da multinacional Marfrig Group foram beneficiados pela campanha salarial 2012 no Rio Grande do Sul. Além do reajuste de 14,75% no piso, acordo viabiliza transporte gratuito aos trabalhadores do setor


Por Clarice Gulyas

A intransigência dos frigoríficos  por pouco não resultou em uma paralisação geral no Rio Grande do Sul (RS). Cerca de 3 mil funcionários da multinacional Marfrig Group rejeitaram proposta inicial de 8,8% de reajuste salarial e conquistaram, nessa quarta (05/09), 14,75% em acordo que garante ainda aumento no vale alimentação e transporte gratuito aos trabalhadores. As negociações da campanha salarial 2012 tiveram início em junho deste ano.

Sob ameaça de greve desde a última semana, trabalhadores das regiões de Bagé, Pelotas, Alegrete e São Gabriel reivindicaram aumento salarial com reposição da inflação e melhorias das condições de saúde, diante de cláusulas sociais.  “Realizamos diversas assembleias onde os trabalhadores rejeitaram uma proposta da empresa com salário baixo e estávamos nos preparando para instalar uma greve. A participação dos trabalhadores foi maciça e isso repercutiu na direção da empresa. Nessa segunda íamos parar as unidades de Alegrete e São Gabriel, com a participação de 1.700 trabalhadores, no entanto, a empresa cedeu e apresentou outra proposta que não atendeu 100% o interesse dos trabalhadores, mas atendeu o interesse da maioria“, afirma Darci Pires da Rocha, coordenador político da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA), que coordenou as negociações com sindicatos locais e representantes patronais.
 

Segundo Darci, a principal preocupação dos trabalhadores foi atingir um índice com ganho real que superasse a inflação. Para ele, a mobilização dos trabalhadores foi determinante para a conquista que, segundo Darci, foi um dos maiores ganhos percentuais já vistos no Brasil. “Nós queríamos um mínimo de 10% para todos os trabalhadores de forma linear, que é um índice significativo já que temos uma inflação de 4,85%. Talvez essa tenha sido uma das negociações que atingiu maior ganho percentual do Brasil. Tivemos reajuste de 10% para os trabalhadores que ganham até R$ 2.000 e 14,75% no reajuste do piso (R$ 787,00)”, comemora Darci, que também destaca a garantia de transporte gratuito e o aumento do vale alimentação para R$ 115,00.
 

Frigoríficos sem regulamentação profissional

 

O presidente da CNTA, Artur Bueno de Camargo (foto), elogiou a participação dos dirigentes sindicais e a unificação dos trabalhadores da região. No entanto, lembrou que o setor frigorífico ainda tem muito o que avançar, sobretudo, no que diz respeito às condições de saúde e segurança no trabalho. Nesta terça (11/09), representantes patronais e dos trabalhadores voltam a discutir com o governo a criação da Norma Regulamentadora dos Frigoríficos, no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).
“Foi comprovado que é possível avançar somente através das negociações. Para nós, da CNTA, é muito importante termos essa unidade e isso no futuro com certeza trará também melhores resultados na luta dos trabalhadores em busca de melhorias”, afirma.

Sobre a falta de avanço da construção da NR dos Frigoríficos, há mais de um ano em discussão no MTE, Artur não descarta a retomada da mobilização nacional para defender interesses gerais dos trabalhadores da categoria, como a redução da jornada de trabalho, a extinção das horas extras e a concessão de pausas para descanso de 10 minutos a cada 50 minutos de trabalho – rejeitados pelo patronal ao longo das negociações.

“Espero realmente que essa próxima reunião traga uma proposta de consenso e que possa pelo menos amenizar um pouco os problemas de saúde e de acidentes de trabalho dentro dos frigoríficos, que são alarmantes. Se isto não acontecer, espero que o MTE cumpra seu papel e não fique refém dos empresários, que não querem avançar na melhoria das condições de trabalho”, diz.

 
Segundo a ata de negociação dos frigoríficos no RS, as principais cláusulas do acordo são:



Piso: R$ 787,00 (reajuste de 14,75%);
Piso Profissional: R$ 840,00 ( reajuste de 13,67%) ;
Reajuste: até R$ 2.000,00 10% retroativo a junho;
Acima de R$ 2.000,00 8,5% retroativo a junho;
Vale alimentação: R$ 115,00;
Vale transporte: Gratuito.

 

 

Assessoria de imprensa da CNTA
(61) 3242 6171 / 8177 3832
Clarice Gulyas / [email protected]
Feed

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas notícias

- PUBLICIDADE -

Você pode gostar