18.5 C
Brasília
- PUBLICIDADE -
InícioPolíticaCLDFGabriel Magno resume a volta às aulas: “Novo ano letivo, velhos problemas”

Gabriel Magno resume a volta às aulas: “Novo ano letivo, velhos problemas”

Publicado em

Em comissão geral no plenário da Câmara Legislativa que tratou da volta às aulas na rede pública do Distrito Federal, na tarde desta quinta-feira (29), o deputado Gabriel Magno (PT), de quem partiu a iniciativa do debate, resumiu: “Novo ano letivo, velhos problemas”. Professores, alunos, pais, diretores de escolas e sindicalistas participaram da discussão. Contudo, a Secretaria de Educação, que havia confirmado presença, avisou que não mandaria representante minutos antes do início.

Para Davi Falcão, diretor da União dos Estudantes Secundaristas, a ausência da pasta “mostra o descaso do governo Ibaneis Rocha com a educação”. Ele listou uma série de dificuldades, entre as quais a superlotação nas salas de aula, situação que contraria o Plano Distrital de Educação (PDE). “Como será esse ano, que já começa com o anúncio de uma assembleia do Sindicato dos Professores (Sinpro)?”, questionou, referindo-se ao dia 20 de março próximo.

Representante da entidade sindical, a professora Márcia Gilda observou que 2024 iniciou sem que a Semana Pedagógica – na qual é traçado o plano de cada estabelecimento de ensino – ocorresse na maior parte das escolas. Também cobrou do governador o cumprimento do acordo que pôs fim à greve do ano passado. “Dos 15 pontos, apenas quatro foram cumpridos”, relatou. A contratação de todos os docentes aprovados no último concurso público, por exemplo, ainda não foi concluída, ante um quadro de 14 mil profissionais temporários e 8 mil efetivos.

Outros números foram apresentados por Júlio Barros, coordenador do Fórum Distrital de Educação, dando conta de que há mais de 8,6 mil crianças fora das salas do pré-escolar. No caso das creches, a fila de espera registra quase 18,5 mil crianças de zero a três anos, enquanto a demanda real ultrapassaria 63 mil vagas. Sobre a educação integral, de acordo com o PDE, deveria haver mais 107 mil estudantes matriculados nessa modalidade.

“Uma das metas do Plano Distrital de Educação é dobrar o investimento no setor de acordo com o PIB. Porém, ao longo dos anos, temos registrado o baixo investimento na educação”, destacou. Uma saída para a questão, segundo Barros, pode ser a criação de uma “Lei de Responsabilidade Educacional”, tendo como modelo a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que contém penalidades no caso de descumprimento.

 

Direito à educação

A comissão geral – quando a sessão ordinária é interrompida e recebe convidados para tratar de temas de interesse da comunidade – também tratou da atuação e das dificuldades dos monitores escolares que lidam, especialmente, com alunos com deficiências. O deputado Fábio Felix (Psol) acrescentou a necessidade de um maior diálogo do governo com a comunidade escolar e informou que a Comissão de Direitos Humanos da CLDF, da qual é presidente, tem recebido reiteradas denúncias sobre problemas na educação inclusiva.

Por sua vez, o promotor de Justiça Anderson Pereira de Andrade listou ações da Procuradoria de Educação do Ministério Público do DF, em temas como a militarização das escolas, a negação de matrículas e a falta de vagas em creches. Ele reforçou as críticas contra a ausência do GDF no debate, por tratar-se de “um ator fundamental na discussão”.

Já a diretora da Faculdade de Educação da UnB, Liliane Campos Machado, discorreu sobre atividades que aproximam a universidade da escola de educação básica. Também fez um apelo para que o governo proceda a nomeação dos professores concursados, “pois muitos em contrato temporário são aqueles que foram aprovados”.

“Temos de tentar encontrar soluções e propor caminhos para que o direito constitucional à educação seja garantido”, incentivou o deputado Gabriel Magno, que abordou, ao longo da comissão geral, os diversos assuntos trazidos pelos participantes, como a questão orçamentária. “É um crime a Secretaria de Educação negar matricula das crianças”, afirmou, chamando a atenção ainda para outros direitos negados: a ausência de transporte, a falta de créditos no Cartão Material Escolar, problemas na merenda e o déficit de estabelecimentos escolares, por exemplo.

Durante o debate, o parlamentar informou que um resumo das manifestações e os questionamentos serão encaminhados à Secretaria de Educação. E apontou que, caso a pasta continue se recusando a participar das discussões, poderá propor, em vez de convite, a “convocação” da secretária para que compareça à CLDF.

Fonte: Agência CLDF

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas notícias

- PUBLICIDADE -

Você pode gostar