24.5 C
Brasília
- PUBLICIDADE -
InícioPolíticaCLDFCLDF promulga lei que reconhece quem tem fibromialgia como pessoa com deficiência

CLDF promulga lei que reconhece quem tem fibromialgia como pessoa com deficiência

Publicado em

Os principais sintomas da doença são dores generalizadas e persistentes, sensibilidade ao toque, síndrome do intestino irritável, pernas inquietas, formigamentos, bexiga irritável, cefaleia (dor de cabeça), fadiga, entre outros

Esta sexta-feira (1º) virou um marco no Distrito Federal para as pessoas diagnosticadas com fibromialgia. Isso porque, conforme anuncia o Diário da Câmara Legislativa (DCL) de hoje, os fibromiálgicos passam a ser reconhecidos como pessoas com deficiência (PcD) para todos os efeitos legais, o que, na prática, assegura benefícios como a isenção fiscal do IPVA, por exemplo. 

A medida consta de um projeto de lei apresentado pelo deputado João Cardoso (Avante) em 2021. O PL nº 2.308/21 foi aprovado pela Câmara Legislativa no ano passado e foi convertido na Lei nº 7.336/23. 

Contudo, ao sancionar a norma, o governador Ibaneis Rocha vetou o artigo que reconhece os fibromiálgicos como PcD. Para o chefe do Executivo, o paciente com fibromialgia não poderia ser enquadrado como pessoa com deficiência permanente, mas, sim, com incapacidade temporária, “considerando o quadro clínico variável entre os indivíduos”.

O veto parcial foi derrubado pelos distritais no último dia 20 de fevereiro, e o trecho foi promulgado pelo presidente da CLDF, deputado Wellington Luiz (MDB), passando a integrar a Lei nº 7.336/23. A promulgação foi publicada do DCL de hoje.

Legislações semelhantes já foram aprovadas em outros estados brasileiros, como o Amazonas, e a matéria consta também de propostas em tramitação no Congresso Nacional.

Fibromialgia

Incluída na Classificação Internacional de Doenças (CID) da Organização Mundial de Saúde (OMS) em 2004, a fibromialgia é uma síndrome multifatorial, de causa ainda desconhecida, crônica e sem cura. Em sua maioria, a doença atinge mulheres com idade entre 30 e 55 anos.

Os principais sintomas da doença são dores generalizadas e persistentes, sensibilidade ao toque, síndrome do intestino irritável, pernas inquietas, formigamentos, bexiga irritável, cefaleia (dor de cabeça), fadiga, entre outros.

 

 

“A fibromialgia é uma doença que impõe aos pacientes impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual e sensorial, que, em interação com as diversas barreiras impostas ao fibromiálgico, efetivamente obstruem a participação plena e efetiva dele na sociedade”, avalia o deputado João Cardoso. “Daí a importância do reconhecimento da fibromialgia como deficiência”, assevera o autor da proposta.

A Lei nº 7.336/23 também inclui, no calendário oficial do Distrito Federal, a data de 12 de maio como o dia de conscientização e enfrentamento da doença.

Fonte: Agência CLDF

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas notícias

- PUBLICIDADE -

Você pode gostar