22.6 C
Brasília
- PUBLICIDADE -
InícioSem categoriaNa malhação, quanto mais dolorido, melhor?

Na malhação, quanto mais dolorido, melhor?

Publicado em

Na malhação, quanto mais dolorido, melhor?
 
Por Carlos Fernandes (Fit Park Academia)
Educador físico especialista em Musculação e Treinamento de Força

Durante muito tempo, dentro das academias, podia-se ouvir a frase “No pain, no gain”, que traduzida do inglês significa “sem dor, não há ganho”, porém , “pain” também significa “esforço”, e essa seria a tradução ideal para essa frase: sem esforço, não há resultados. 

Para muita gente, esse esforço significa não só a fadiga, mais confundida com a dor durante o exercício, mas também com a dor muscular pós-exercício ou dor muscular de início tardio (DMIT). Quando essas pessoas, não acordam com essa dor, a sensação é de que o treino não foi eficiente, o que não é verdade. A DMIT, que pode durar de 3 a 4 dias após o treino, pode ser causada, basicamente, por seis fatores: microlesões no tecido muscular, alteração na pressão osmótica, espasmos musculares, estiramento excessivo na musculatura trabalhada, inflamação aguda e alteração na regulação do cálcio. Vale ressaltar que esses fatores podem ocorrer isoladamente ou em conjunto, o que torna mais difícil identificá-los e supor se o treino foi eficaz ou não. Inclusive a maior relação à dor pós-exercício está nas respostas inflamatórias. A prova disso é quando nota-se que aquela pessoa que treina “pesado” fica afastada por alguns dias da academia e, quando ela retorna, está visivelmente menos “inchada”. Essa perda, na verdade, não é de massa magra e sim o corpo se recuperando de uma inflamação “geral” e desinchando após a pessoa ficar sem praticar o exercício físico que, em excesso, causa inflamação, gerando dor pós-exercício e aumentando a retenção hídrica, como em muitos processos em que o organismo tenta combater inflamações.

A dor causada por microlesões faz parte do processo de treinamento de força, porém essa dor é de curta duração, durante cerca de um ou dois dias, quando o organismo regenera uma parte micro do tecido muscular, que se adapta para um novo dia de treino. Isso não significa que, quando não há dor, o treino não foi efetivo. Dores que duram mais dias significam que a lesão foi alta na musculatura. Há, inclusive casos em que a lesão foi tão elevada que causou danos musculares graves, como estiramentos de primeiro e segundo grau, e até mesmo de terceiro, quando ocorre a ruptura total da musculatura. Essas lesões se dão, na maioria dos casos, pelo aumento excessivo da carga, e podem ser aliadas também à má execução do movimento. O profissional de Educação Física tem um papel primordial na prescrição dos exercícios, na orientação correta do movimento, no estímulo (carga) adequado para determinada pessoa e por estar sempre próximo aos alunos, podendo feedbacks em relação ao programa de treino.

Mesmo o treinamento de força sendo uma atividade muito segura e de ganhos relativamente rápidos, não se pode queimar etapas. Não adianta querer acelerar o processo de ganhos de massa magra, força ou emagrecimento se futuramente, devido às lesões, a pessoa terá que se ausentar da academia e adiar o cumprimento da sua meta, pois resultados obtidos em longo prazo serão mais duradouros do que aqueles atingidos em curto prazo, já que não dão tempo para o corpo se adaptar ou mesmo se recuperar.

Serviço:
Fit Park Academia

(61) 3368 2001
www.fitparkacademia.com.br


Assessoria de Imprensa
Gulyas Comunicação

(61) 8428 0719 / 8177 3832
Fernanda Fernandes e Clarice Gulyas

Feed

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas notícias

- PUBLICIDADE -

Você pode gostar