24.5 C
Brasília
- PUBLICIDADE -
InícioSem categoriaCodeplan divulga segunda pesquisa sobre restaurantes comunitários no DF

Codeplan divulga segunda pesquisa sobre restaurantes comunitários no DF

Publicado em

Pesquisa de satisfação ouve mais de sete mil usuários em 14 unidades dos RCs

Com o objetivo de traçar o perfil sociodemográfico dos consumidores dos Restaurantes Comunitários (RCs), avaliar a satisfação e hábitos de consumo, estilo de vida e fatores de risco e doenças crônicas, foi divulgada nesta manhã (26), na Codeplan, a II Pesquisa de Identificação e Percepção Social dos Usuários dos Restaurantes Comunitários do Distrito Federal. Segundo a pesquisa, 84,5% dos usuários aprovam a qualidade do atendimento na variedade dos alimentos servidos, 80,4%, o sabor e 77,5% a quantidade.

A pesquisa é fruto de parceria entre a Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) e a Secretaria de Estado de Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (Sedestmidh).Trata-se da segunda pesquisa de identificação e percepção social dos usuários dos restaurantes comunitários, realizada em 2017, pela Codeplan, que ouviu 7.264 usuários, nas 14 unidades no DF situadas nas cidades: Brazlândia, Gama, Recanto das Emas, Santa Maria, Paranoá, Itapoã, Riacho Fundo II, Estrutural, Planaltina, São Sebastião, Sobradinho II, Samambaia, Ceilândia e Sol Nascente, que pertence à Região Administrativa da Ceilândia, ou seja, na Ceilândia existem dois Restaurantes Comunitários.

Apesar de a pesquisa ter sido produzida há mais de um ano, o presidente da Codeplan, Lucio Rennó, disse que os dados são os mais recentes e assumem importância para as políticas sociais, “pois cumpre o papel de atender a população mais carente”. Destacou ainda que ela foi oportuna para rever a coleta de dados e que é um bom exemplo de pesquisa, passo que se abre à esperança no combate à fome.

“Esse trabalho vai permitir aos gestores a busca pela melhoria do processo de desenvolvimento social da Capital Federal por meio do planejamento de ações promotoras de segurança alimentar e nutricional no Distrito Federal”, disse a diretora de Estudos e Políticas Sociais, Ana Maria Nogales Vasconcelos. Ela acrescentou que os resultados da pesquisa demonstram a importância da voz do cidadão para o aprimoramento das políticas públicas no DF e servem de termômetro para avaliar o avanço nas políticas de segurança alimentar e nutricional”.

A gerente de Estudos e Análises de Promoção Social, Rebeca Carmo Batista de Souza, ao apresentar a pesquisa, relembrou que a primeira foi elaborada em 2012, divulgada em 2013, e que, nesta segunda, algumas mudanças foram feitas, entre elas, qual o meio de transporte para o deslocamento até os RCs, o estilo de vida dos usuários dos restaurantes comunitários, as condições socioeconômicas e sua percepção sobre a qualidade da alimentação, as instalações físicas, ambientais sanitárias desses equipamentos públicos e a importância deles na realização do Direito Humano à Alimentação Adequada (DHAA) para a população do Distrito Federal e de sua área de influência. Usuários dos RCs estavam na faixa dos 14 até acima dos 60 anos.

Para Rebeca Souza, o resultado mais significativo da pesquisa é a avaliação positiva dos usuários quanto aos RCs: 86,9% aprovam o conforto das instalações, seguidos de 84,5% que apontam a qualidade do atendimento, 80,4%, variedade, 77,5%, sabor e 74,2%, a quantidade da comida. A satisfação dos usuários reflete no interesse em outras refeições nos RCs: mais de 80% afirmaram que fariam alguma outra refeição, café e/ou jantar, caso os restaurantes oferecessem essas opções.

O subsecretário da Sedestmidh, João Roberto Oliveira de Souza, representando a secretária Ilda Ribeiro Peliz, parabenizou a equipe da Codeplan pelo trabalho e ressaltou a importância da pesquisa até por ser um reconhecimento às ações da Secretaria. Falou também sobre novas ações que estão por vir.

“A questão intergeracional mostra um fator importante que é a valorização do contato entre as gerações pela troca de experiências”, afirmou a professora do Departamento de Nutrição da Universidade de Brasília e pesquisadora associada do Observatório Brasileiro de Hábitos Alimentares da Fio Cruz em Brasília, Danielle Cabrini, ao considerar a faixa etária do público-alvo da pesquisa e a morbidade referida aos usuários.

Participando do debate, a coordenadora-geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, Kátia Cruz Godoy, falou sobre os RCs e que já esteve em campo e sabe o quanto é difícil o trabalho. Enfatizou o olhar que se deve ter para com as pessoas em situação de vulnerabilidade, a preocupação no trato da alimentação adequada e saudável. “O combate à fome é um dever do Estado”. Disse estar impressionada com o interesse do público usuário em participar de eventos de saúde e cultural como pontos positivos da pesquisa.

 

ASCOM Codeplan:  Eliane Menezes

Foto: Toninho Leite

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas notícias

- PUBLICIDADE -

Você pode gostar