17.5 C
Brasília
- PUBLICIDADE -
InícioBrasilJustiçaJustiça gaúcha cede espaço para abrigar mulheres em situação vulnerável em Porto...

Justiça gaúcha cede espaço para abrigar mulheres em situação vulnerável em Porto Alegre

Publicado em

O abrigo exclusivo para mulheres em situação de vulnerabilidade decorrente das enchentes no Rio Grande do Sul, em local cedido pelo Judiciário gaúcho em Porto Alegre, já começou a receber as primeiras desalojadas. No total serão ofertadas 47 vagas para as mulheres. Atualmente, quatro estão no local.

Era madrugada desta terça-feira (14/5), quando a senhora G.T.S.O, de 70 anos, chegou no alojamento. Ela contou que estava perdida, andando nas águas turvas do Guaíba, quando foi socorrida por voluntários em um barco. “Estou gostando porque recebi todo atendimento”, afirmou.

A juíza Anaísa Peruffo, que está supervisionando o abrigo no prédio do Judiciário, destaca a importância da iniciativa. “É de suma importância esta iniciativa do Poder Judiciário porque as mulheres, nesse momento tão difícil, desse evento climático tão catastrófico, precisam ter um espaço onde se sintam seguras, protegidas e com atendimento social e médico ”.

Para garantir o aconchego das desabrigadas, o prédio conta com uma equipe de voluntários da Prefeitura. A Técnica de Enfermagem Sandra Regina Pachego, que atua no abrigo como voluntária da Prefeitura, reforça a importância de acolher o público feminino. “Para mim é muito gratificante ajudar mulheres que estão precisando muito da gente, neste momento tão delicado que estamos vivendo”.

Conforme a Coordenadora dos abrigos femininos da prefeitura, Renata Fonini, é realizada uma triagem de mulheres que estão em outros alojamentos e, para garantir maior segurança, estão sendo realocadas para este espeço. “São mulheres que não tem filhos, nem companheiros e que estão sozinhas nesses abrigos mistos. E acho que a grande importância desses abrigos é exatamente essa, de poder dar um lugar mais seguro para essas mulheres em um momento tão crítico para todo mundo, em que tudo é mais vulnerável, ainda mais para elas, por estarem sozinhas”, reflete a coordenadora.

Adaptações, conforto e segurança

O prédio passou por adaptações, em dois andares, e conta com a doação de alimentos, eletrodomésticos como máquinas de lavar e secar roupas e aquecedor de água.

Para viabilizar banhos, foram instalados dois chuveiros elétricos. Conforme a Juíza Anaísa, as principais refeições já vêm prontas. Já para refeições fora do horário é possível aquecer graças à doação de aparelhos de micro-ondas. “As outras refeições intermediárias, como café da manhã e lanche da tarde (ou que a abrigada precise se alimentar), pode ser produzido aqui no refeitório, com alimentos doados”, complementa a juíza.

A ação conjunta conta com a atuação do Judiciário,  do Ministério dos Direitos Humanos, da Assembleia Legislativa, do Ministério Público, da Defensoria Pública e da Prefeitura de Porto Alegre, com apoio da Brigada Militar, além da ação de magistrados, servidores e voluntários.

A localização do espaço é preservada visando à proteção da identidade das pessoas abrigadas.

Fonte: TJRS

Macrodesafio - Garantia dos direitos fundamentais

 

Número de visualizações: 156

Fonte: Portal CNJ

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas notícias

- PUBLICIDADE -

Você pode gostar