28.5 C
Brasília
- PUBLICIDADE -
InícioBrasilCulturaPrimeira Constituição Republicana do Brasil completa 133 anos como marco na construção...

Primeira Constituição Republicana do Brasil completa 133 anos como marco na construção de um estado democrático

Publicado em

Há 133 anos, o Brasil construía um estado democrático no país com a promulgação da primeira Constituição Republicana, celebrada no dia 24 de fevereiro. A Constituição de 1891 foi a segunda do país, mas a primeira desde que o Brasil passou a ser uma República. O texto estabeleceu princípios fundamentais para a organização política e social, como o sistema presidencialista, a separação dos poderes, a garantia de direitos individuais e a determinação de um estado laico.

Mostrar a história das lutas e conquistas democráticas no Brasil são essenciais para a consolidação da democracia e dos direitos básicos. Neste contexto, museus, bibliotecas, filmes e espaços culturais desempenham um papel fundamental para potencializar a conscientização da população, pois oferecem aos visitantes a oportunidade de conhecer de perto documentos históricos, relatos de testemunhas oculares e exposições interativas.

A Fundação Biblioteca Nacional (FBN), por exemplo, realiza uma exposição no saguão de sua sede com obras que tratam das constituições do período imperial e da república. A curadoria para a exposição, aberta por tempo indeterminado, selecionou quatro obras não digitalizadas e 12 digitalizadas disponíveis para consulta.

Segundo Marco Lucchesi, presidente da FBN, a autarquia tem um histórico de contribuição com os valores democráticos a partir da Constituição Federal. “Ano passado comemoramos os 35 anos da Constituição Federal de 1988. Contribuímos na curadoria da primeira tradução da Constituição de 1988 para uma língua originária, como o nheengatu, versão que consta no acervo. O resultado dessa memória coincide com nossa missão de divulgar o conhecimento, armazenar a memória nacional e disponibilizar ao público”, comemorou.

Museu da Democracia

A construção do Museu da Democracia é outro marco importante no fortalecimento e valorização de instrumentos democráticos. O projeto que será erguido em Brasília, como explica Cecília Sá, Subsecretária de Espaços e Equipamentos Culturais do Ministério da Cultura (MinC), contará com forte participação social em suas diferentes fases de execução. “O Museu da Democracia será um espaço de acesso à informação e ao conhecimento das lutas pela democracia no país, buscando a ênfase na conscientização e a valorização da diversidade cultural e da pluralidade de ideias. Esperamos, com esse projeto, contribuir para a formação de uma consciência crítica e reflexiva sobre a história”, disse.

A ideia da criação do Museu surgiu a partir do testemunho dos atos antidemocráticos, ocorridos no dia 8 de janeiro de 2023. “Os atos representaram o ápice de uma escala de manifestações autoritárias e de desqualificações institucionais. A partir disso, a ministra Margareth Menezes anunciou a criação de uma instituição museológica que servirá como espaço educacional para disseminação de referenciais e valores democráticos”, explicou Cecília.

Para Newton Fabiano Soares, chefe da Assessoria Parlamentar do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e coordenador do grupo de trabalho (GT) para a construção do Museu da Democracia, o projeto vai permitir o fortalecimento das instituições de direito, por meio do acervo.

“Além de preservar a história, o Museu da Democracia vai desempenhar um papel fundamental na manutenção da democracia, ao promover o entendimento sobre o funcionamento das instituições democráticas e a importância da participação cívica. Por meio de atividades educativas e culturais, e pelo próprio acervo, o museu estimula o engajamento político responsável e a valorização dos princípios democráticos”, contou.

Projeto

O Museu da Democracia será construído no lado norte da Esplanada dos Ministérios, ao lado do Teatro Nacional Claudio Santoro, em Brasília (DF). O Governo Federal disponibilizou R$ 40 milhões, provenientes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para a construção.

O Ministério da Cultura (MinC) e o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) planejam lançar um concurso nacional para selecionar o projeto arquitetônico do museu. Após essa etapa será possível licitar a execução da obra, com a expectativa de que ela comece em 2025. “A ideia é criar um espaço de abertura a mostras de distintas instituições e diversas expressões e narrativas da história da democracia no Brasil”, explicou a subsecretária de Espaços e Equipamentos Culturais do MinC.

Participação popular

Além do concurso, o Ibram prevê a um plano museológico com participação da sociedade para definir o acervo. “Dentro do Plano Museológico temos 12 programas que envolvem acervo, exposições, arquitetura, gestão e queremos dialogar com a sociedade para construir esse museu, para que seja de fato representativo e inclusivo”, contou Newton.

Para Fernanda Castro, presidenta da autarquia, a gestão tem buscado cada vez mais a participação popular nos projetos. “Pela primeira vez temos a oportunidade de criar um museu desde o início, de forma democrática e participativa, seguindo padrões técnicos que vêm sendo consolidados como política pública, na articulação entre o instituto e a sociedade. Estamos fazendo um museu do povo, com o povo, para o povo e que vai atuar na garantia ao direito à cultura e à memória, na formação cidadã e na defesa da construção histórica da democracia no Brasil”, explicou.

Repositório virtual

Também por meio do Ibram, o MinC possui um repositório do Museu da Democracia, em um ambiente virtual. O portal contém itens pesquisáveis como artigos, livros, vídeos, filmes, áudios e músicas que tratam da temática da manutenção da democracia como forma de dar início aos processos de concepção do Museu da Democracia.

“O repositório já é uma forma de participação social, pois temos um questionário dentro do portal para envolver a comunidade no processo de planejamento. Queremos garantir que as histórias e perspectivas de todos sejam consideradas, promovendo assim uma maior conexão e engajamento com o museu e seu acervo”, concluiu o chefe da Assessoria Parlamentar do Ibram.



Fonte: Ministério da Cultura

Comentários

- PUBLICIDADE -

Últimas notícias

- PUBLICIDADE -

Você pode gostar