Bombeiro Mirim ensina cidadania e disciplina a crianças e adolescentes

Programa do Corpo de Bombeiros Militar do DF oferece atividades gratuitas a quem tem entre 7 e 14 anos; atualmente, são 1.326 atendidos em 12 regiões administrativas

Catarina Lima, da Agência Brasília I Edição: Débora Cronemberger

A sargento Geisiane Gomes de Araújo, 36 anos, sente o passado voltar quando dá aulas para estudantes do programa Bombeiro Mirim, no 7º Grupamento de Bombeiro Militar de Brazlândia, onde ela mesma já foi uma aluna. “Ser bombeiro-mirim despertou em mim a vontade de fazer um concurso para entrar na corporação”, diz Geisiane. “Hoje, como instrutora dessas crianças, lembro que já fui uma delas”.

Crianças e adolescentes de 7 a 14 anos aprendem sobre cidadania, noções de trânsito e primeiros socorros, entre outros assuntos, no programa Bombeiro-Mirim | Fotos: Renato Araújo/Agência Brasília

Assim como Geisiane, muitas das 1.326 crianças e adolescentes que hoje fazem parte do programa no Distrito Federal sonham em vestir o uniforme laranja e ajudar pessoas. O público-alvo do programa são alunos da rede pública de 7 a 14 anos. A unidade de Brazlândia, uma das mais completas em estrutura esportiva, atende 122 crianças.

Thauany Nascimento, de 12 anos, conseguiu ajudar o irmão, que tem asma, com as noções de primeiros socorros que aprendeu no programa

As aulas são oferecidas no contraturno das aulas, pela manhã e à tarde. Há atividades cívico-militares, introdução a conceitos de cidadania, música, primeiros socorros, noções de trânsito e do Estatuto da Criança e do Adolescente e esportes como vôlei, natação e futebol e xadrez.

Thauany Cristina Silva do Nascimento, 12 anos, começou a participar do programa quando tinha 7 anos. “Aqui aprendi a nadar, a ter disciplina. Minha educação melhorou muito e aprendi primeiros socorros, com isso consegui até ajudar meu irmão que tem asma”, disse a pequena Thauany. “Por mim ficaria aqui para sempre. No futuro quero ser paramédica”, revela a pequena bombeira.

Ana Carolina Bezerra, que inicialmente não queria ficar nas aulas, hoje lamenta estar próximo o dia de sair do programa

Ana Carolina Monteiro, 14 anos, também chegou ao Bombeiro Mirim aos 7. À época, lembram os instrutores, ela chorava para não ficar. Hoje, gosta tanto que lamenta a saída, já próxima. “Aprendi a me socializar e a jogar queimada melhor. O Bombeiro Mirim ajuda a focar os estudos. No futuro, quero ser veterinária ou psicóloga”, contou.

Hoje, 109 bombeiros militares estão envolvidos em projetos sociais, entre esses o Bombeiro Mirim. “Trabalhamos para atender o Estatuto da Criança e do Adolescente”, destacou a coordenadora. Coordenador do programa em Brazlândia, o sargento Eduardo Santana lembrou que o Bombeiro Mirim na região administrativa supre a necessidade de projetos sociais.

A capitã Fábia Alves é a coordenadora do programa Bombeiro Mirim

“Um dos nossos objetivos é preparar as crianças, mostrar a elas seus direitos e deveres. Os pais também recebem essas orientações”, explicou a coordenadora do programa, capitã Fábia Alves Oliveira. Ela enfatizou que o conhecimento acerca de seus direitos faz com que as crianças estejam atentas para evitar abusos. “Temos uma parceria estreita com os conselhos tutelares, que fazem treinamento para os bombeiros que são instrutores”, explicou.

Pais e mães que queiram inscrever seus filhos no programa devem entrar em contato com a corporação por meio do telefone 3901-7926 ou se dirigir à unidade do Corpo de Bombeiros mais próxima de suas residências. Novas vagas podem ser abertas, porém o número oferecido depende da disponibilidade a partir de desistências e saídas dos alunos que completam 15 anos.

O programa funciona nas unidades do Corpo de Bombeiros de 12 cidades do Distrito Federal: Brazlândia, Ceilândia, Samambaia, Recanto das Emas, Gama, Santa Maria, Candangolândia, Núcleo Bandeirante, Paranoá, São Sebastião, Sobradinho e Planaltina. Acesse aqui para conferir as condições de participar.

Deixe um comentário